Lápis Mágico

Fabula A raposa e o esquilo

Uma fábula de La Fontaine

Fabula A raposa e o esquilo

Uma raposa orgulhosa vendo um pobre esquilo ser surpreendido por uma feroz tormenta, põe-se a escarnecer do animalzinho que tentava subir numa árvore:

— “Eis-te no esquife quase a repousar” - dizia. -“Em vão tentas cobrir com a cauda o rosto. Quanto mais sobes, mais a borrasca violenta a seus golpes fatais te encontra exposto. Ter por vizinho o raio e estar sempre na altura quiseste, e foi teu mal. Eu, numa toca obscura, posso rir-me e esperar que sejas feito pó.”

Enquanto se vangloriava, a raposa devorava de uma dentada só muitos pobres franguinhos.

Por fim, a tormenta acaba: o relâmpago cessa, emudece o trovão, dissipa-se a tormenta e retorna a bonança. O céu voltou a ser azul e o sol mais brilhante que antes.

Nisto, um caçador que havia descoberto os rastros da raposa, diz:

-“Por certo, meus frangos vais pagar!”

E começou a lançar numerosos sabujos que a vão desalojar a raposa do seu covil.

O esquilo, do alto de um galho a vê fugir apavorada, veloz, à frente da matilha que a acossa ferozmente.

O bondoso esquilo poderia sentir prazer gratuito ao perceber se abrirem para ela as portas da agonia. Mas, vendo-o, não escarnece da impiedosa raposa, pois ainda traz na mente as sofridas impressões do susto recente…

Moral da fábula: Dos miseráveis não se deve escarnecer, pois quem pode assegurar que só feliz vai ser?

**

Outra versão

Dos miseráveis não se deve escarnecer:

Quem pode assegurar que só feliz vai ser?

Nas fábulas do sábio Esopo, mais

De um exemplo nos vem de casos tais.

Certa história, em vez deles, me parece

Que lição mais autêntica oferece.

A raposa do esquilo escarnecia,

Vendo-o assaltado por feroz tormenta.

  • Eis-te no esquife quase a repousar - dizia -

Em vão tentas cobrir com a cauda o rosto.

Quanto mais sobes, mais a borrasca violenta

A seus golpes fatais te encontra exposto.

Ter por vizinho o raio e estar sempre na altura

Quiseste, e foi teu mal. Eu, numa toca obscura,

Posso rir-me e esperar que sejas feito pó.”

Nossa raposa, enquanto assim se vangloriava,

Muitos pobres franguinhos devorava

De uma dentada só.

Por fim, do irado céu tem o esquilo perdão:

O relâmpago cessa, emudece o trovão,

Dissipa-se a tormenta e retorna a bonança.

E um caçador, havendo descoberto

Os rastros da raposa, diz: “por certo,

Meus frangos vais pagar!”

Numerosos sabujos logo lança,

Que a vão do seu covil desalojar.

Vê-a o esquilo fugir, veloz, à frente

Da matilha que a acossa ferozmente.

Sentir prazer gratuito poderia,

Ao se abrirem para ela as portas da agonia;

Mas, vendo-o, não se ri: na mente

Traz restos do susto recente.

Jean de La Fontaine

Adira à nossa lista especial para receber conteúdos didáticos