Lápis Mágico

O lobo e o cordeiro

O lobo e o cordeiro é uma adaptação da fábula de Jean La Fontaine

O lobo e o cordeiro

Naquele Verão fazia muito calor e um lobo dirigiu-se a um ribeiro para beber água. Quando se preparava para mergulhar o focinho na água, ouviu um leve rumor de erva a mexer-se. Virou a cabeça nessa direção e viu, mais adiante, um cordeirinho que bebia tranquilamente.

“Vem mesmo a propósito!” – pensou o lobo de si para si.

  • “ Vim aqui para beber e encontro também o que comer…”Aclarou a voz, pôs um ar severo e exclamou:

-Eh! Tu aí!

-É comigo que está a falar, senhor? - respondeu o cordeiro.

– Que deseja?

— O que é que desejo? Mas é evidente, meu malcriado! Não vês que ao beber me turvas a água? Nunca ninguém te ensinou a respeitar os mais velhos?

— Mas… senhor? Como pode dizer isso? Olhe como bebo com a ponta da língua… Além disso, com sua licença, eu estou mais abaixo e o senhor mais acima. A água passa primeiro por si e só depois por mim. Não é possível que esteja a incomodá-lo! – respondeu o cordeirinho com voz trémula.

— Histórias! Com a tua idade já me queres ensinar para que lado corre a água?

— Não, não é isso… só queria que reparasse…

— Qual reparar nem meio reparar! Olha que não me enganas! Pensas que te escapas, como no ano passado, quando andavas por aí a dizer mal da minha família?

“Os lobos são assim… os lobos são assado…” Tiveste muita sorte por eu nunca te ter encontrado, senão já te tinha mostrado como são os lobos!

— Não sei quem lhe terá contado tal coisa, senhor, mas olhe que é falso, acredite. A prova é que no ano passado eu ainda não tinha nascido.

— Pois se não foste tu, foi o teu pai! - rosnou o lobo, saltando em cima do pobre inocente.

Moral da história:

A razão do mais forte leva sempre a melhor.

Para alguém decidido a fazer o mal a todo o custo, qualquer razão serve, ainda que seja uma mentira.

Adira à nossa lista especial para receber conteúdos didáticos