Lápis Mágico

Natal

Poema de Natal de Mário de Sá Carneiro, poeta, contista e ficcionista português, um dos grandes expoentes do modernismo em Portugal e um dos mais reputados membros da Geração d’Orpheu.

Natal

Na noite de Natal

Alegram-se os pequenitos;

Pois sabem que o bom Jesus

Costuma dar-lhes bonitos.

Vão se deitar os lindinhos

Mas nem dormem de contentes

E somente às dez horas

Adormecem inocentes.

Perguntam logo à criada

Quando acorde de manhã

Se Jesus lhes não deu nada.

— Deu-lhes sim, muitos bonitos.

— Queremo-nos já levantar

Respondem os pequenito.

Mário de Sá Carneiro

Natal

Adira à nossa lista especial para receber conteúdos didáticos