Lápis Mágico

A árvore da saúde

Conto tradicional dinamarquês A árvore da saúde

A árvore da saúde conto tradicional dinamarquês

Era uma vez um homem que tinha três filhos. Quando estava prestes a morrer, chamou-os e disse que a única coisa que tinha para lhes deixar era o pomar, pelo que o deviam repartir de modo que cada um ficasse com uma parte. Acrescentou que uma das árvores produzia frutos da saúde, mas absteve-se de explicar qual ou onde se situava.

Poucos dias mais tarde, expirou e os filhos prepararam-se para dividir a herança. Mas o mais novo era ainda tão pequeno que não o incluíram e repartiram o pomar em duas partes iguais. O irmão deserdado ficou apenas com a árvore solitária situada no centro do terreno. Decidiram não lhe atribuir terras, por pensarem que, se fosse precisamente aquela a da saúde alguns frutos cairiam nas áreas que lhes pertenciam.

Um dia, inteiraram-se de que a princesa do pais estava gravemente doente e o rei prometera concedê-la como esposa, além de oferecer metade do reino, a quem fosse capaz de a curar. Em face disso, os irmãos decidiram tentar a sorte. O mais velho foi o primeiro a dirigir-se ao pomar com uma cesta no braço, para colher uma peça de fruta de cada uma das suas árvores, após o que se encaminhou para o palácio. No entanto, o percurso obrigava-o a atravessar um bosque e, assim que penetrou nele, surgiu-lhe uma mulher idosa.

— Bom dia. Que levas na cesta?

— Rãs e sapos — replicou o rapaz. — Mas que tens com isso?

— Então, serão rãs e sapos — decidiu ela, e afastou-se.

Ele reatou a marcha até que alcançou o palácio, onde um guarda lhe perguntou:

— Que pretendes, rapaz?

— Trago na cesta frutos da saúde e quero entrar para curar a princesa — foi a resposta.

Disseram-lhe que admiravam a boa intenção, mas primeiro tinham de inspecionar o conteúdo da cesta. Quando levantaram a tampa, depararam-se-lhes numerosas rãs e sapos, que tentavam sair. Ato contínuo, aplicaram uma valente tareia ao rapaz e expulsaram-no. Entretanto, o segundo irmão foi por sua vez ao pomar e encheu uma cesta com todo o tipo de frutos. Ao entrar no bosque, encontrou-se com a mesma velha, que o cumprimentou e perguntou que continha a cesta.

— Serpentes e víboras — informou o rapaz, não sem alguma brusquidão.

E ela replicou:

— Então, serão serpentes e víboras.

Uma vez diante da entrada do palácio, ele pretendeu passar com os frutos da saúde, mas, quando os guardas levantaram a tampa da cesta, viram-se perante as serpentes e víboras mais repelentes, o que lhe valeu uma tareia não menos contundente que a sofrida pelo irmão. Por último, o mais novo dos três rapazes quis tentar igualmente a sorte. Colheu frutos da sua árvore e pôs-se a caminho. No bosque, surgiu a inevitável velha.

— Bom dia. Que levas na cesta?

— Também te desejo um muito bom dia — replicou ele, cordialmente. — A cesta contém frutos da saúde.

— Então, serão frutos da saúde — determinou ela, e seguiu o seu caminho.

O irmão mais novo atravessou o bosque e, um pouco adiante, desembocou numa praia, onde viu que a rebentação arrastara para terra um grande esturjão, agora ofegante na areia.

— Vou ajudar-te, peixinho infeliz — articulou ele.

Apressou-se a lançá-lo à água e, no momento imediato, o esturjão assomou à superfície e gritou:

— Muito obrigado! Se alguma vez estiveres em apuros e puder valer-te, não hesites em me chamar.

O rapaz seguiu de novo o seu caminho. Pouco depois, avistou um corvo e um enxame de abelhas que travavam luta renhida, com estragos consideráveis em ambas as partes. Ele dirigiu-se-lhes e tentou fazer-lhes compreender a insensatez da peleja, pois podiam voar para onde desejassem. Reconheceram que tinha razão e, enquanto se afastavam, tanto o corvo como as abelhas lhe gritaram:

Obrigado pelo bom conselho! Se alguma vez te vires em apuros e pudermos ajudar-te, não hesites em nos chamar!

O jovem prosseguiu em frente, até chegar à entrada do palácio.

— Que pretendes daqui, rapaz? — perguntaram-lhe.

— Trago nesta cesta frutos da saúde, para que a princesa os coma e se cure.

Louvaram-lhe a boa intenção, mas insistiram em inspeccionar o conteúdo, porque já se lhes haviam deparado as coisas mais estranhas. Com efeito, a cesta estava cheia de maçãs de aspecto admirável. Ele ofereceu duas a um dos guardas, que comeu uma e sentiu-se imediatamente mais leve e alegre e o acompanhou à presença do rei e da princesa.

O jovem ofereceu algumas maçãs a esta última, a qual, quando consumiu a primeira, conseguiu levantar a cabeça da almofada, após a segunda pôde sentar-se e, no final da terceira, ergueu-se de um salto e pôs-se a dançar no quarto.

O rei alegrou-se profundamente e prometeu ao rapaz que seria o marido de sua filha. No entanto, ela não estava de acordo, por o considerar demasiado insignificante. Explicou ao pai que o homem com o qual se prontificaria a casar tinha de ser alguém no mundo. De qualquer modo, se devia desposar aquele jovem, este tinha previamente de recuperar o anel que o rei perdera no mar, vinte e quatro anos antes.

Ante isto, o jovem ficou preocupado. Todavia, lembrou-se do esturjão, correu à praia, chamou-o e comunicou-lhe a situação em que se encontrava. O peixe mergulhou ao fundo do mar e reapareceu pouco depois com o anel. O rapaz regressou ao palácio profundamente aliviado. O rei recebeu-o com particular assombro, procurou a princesa e anunciou-lhe:

— Sabes perfeitamente que deves casar com quem te curou. Por conseguinte, deixa-te de exigências e desposa-o sem mais delongas.

No entanto, ela respondeu que não o podia fazer. Queria ter um marido que estivesse em condições de construir um palácio tão grande e magnificente como o do pai, além de que devia ser de cera e brilhar ao sol como se fosse de ouro puro. O rei tratou de transmitir estas exigências ao rapaz, que, a princípio, assumiu uma expressão carrancuda, mas acabou por se recordar das abelhas, afastou-se rapidamente, chamou-as e revelou-lhes o dilema em que se encontrava. Elas, porém, asseguraram-lhe que fariam tudo ao seu alcance para o comprazer. Quando, no dia seguinte, todos se levantaram, erguera-se um palácio de cera de dimensões e magnificência idênticas às do que o rei habitava, resplandecente ao sol como se fosse de ouro puro.

O monarca voltou a consultar a filha e advertiu-a:

— Agora, não posso conceder mais adiamentos. Tens de casar com ele, já que as suas capacidades excedem de longe as de qualquer homem médio.

A princesa mostrou-se muito surpreendida com o que via, mas não se deu por satisfeita. Quis que o pai comunicasse ao rapaz que obtivesse os três tições mais velhos do inferno. Prometeu que, se o conseguisse, não faria mais exigências e casaria com ele de bom grado.

O rei ficou extremamente indignado com a nova pretensão, mas acabou por ceder e informou o jovem. Este, a princípio, sentiu-se muito apreensivo, mas não tardou a lembrar-se do corvo, o apóstolo de Satanás, ao qual valera numa aflição. Por conseguinte, chamou-o e expôs-lhe o problema. A ave prometeu fazer tudo ao seu alcance para o ajudar e não tardou a reaparecer com os três tições. O rapaz aceitou-os, dirigiu-se prontamente ao palácio e largou-os no regaço da princesa. Arderam imediatamente, e ela esteve na iminência de ficar sufocada com o fumo. Muito assustada, pôs-se de pé de um salto e correu para os braços do pretendente. Já não havia nada que impedisse o casamento. Celebraram-se, pois, as bodas e os noivos receberam metade do reino como dote.

** DIEDERICHS, Ulf,Palácio dos Contos,vol.I-VI, Círculo de Leitores, Lisboa,1999**

A árvore da saúde


Compre os seus livros na loja online Wook.
JÁ FAZ PARTE DA LISTA?

Adira à nossa lista especial para receber conteúdos didáticos