Lápis Mágico

Os três porquinhos

Os três Porquinhos é um dos contos infantis mais conhecidos, com diversas versões. As primeiras edições do conto são século XVIII mas julga-se ter uma origem mais antiga, sendo a mais conhecida a do livro Fábulas do Esopo. Recebeu uma versão animada da Disney em 1933.

Os três porquinhos

Numa bonita casa de campo viviam três porquinhos:

Prático, Heitor e Cícero. Quando não iam à escola, ficavam a brincar felizes e despreocupados no campo. Ao escurecer, voltavam cansados e satisfeitos.

Em casa esperava-os a sua avozinha, que lhes preparava grandes bolos com natas e morangos.

Um dia, Cícero, o mais pequeno, propôs: «Agora que já somos grandes! podemos construi ruma casa só para nós e viver sozinhos! Cada um construirá a sua , a seu gosto.

Cícero não se queria cansar muito, pelo que considerou que bastariam uns tantos ramos e um pouco de palha entrançada para construir uma cabaninha fresca e confortável.

O Heitor, pelo contrário, pensou que uma cabana de madeira seria suficientemente confortável e resistente, e que não teria de trabalhar demasiado para a construir.

Prático queria uma casinha como a da avozinha. Por isso, carregou o carrinho de mão várias vezes com tijolos e cimento e pôs-se a trabalhar com muito afinco.

– Assim estarei resguardado do lobo, que de vez em quando sai do bosque.

De facto, veio o lobo e bateu na casinha de palha: Toc! Toc!

– Quem é? – perguntou a vozinha do Cícero. – Um amigo… abre!

– respondeu o lobo lambendo-se. – Não! És o lobo mau e não te vou abrir a porta!

– É assim é? – Rosnou o lobo rangendo os dentes.

– Vê então como abro a tua porta! – E de um sopro varreu a cabaninha fazendo rolar para bem longe o porquinho.

Enquanto Cícero escapava, o lobo foi bater à porta do Heitor:

Abre, não te farei mal!

Heitor também não quis abrir, mas um par de sopros foram suficientes para destruir a sua casinha.

Muito esfomeado, o lobo bateu à porta da casa do Prático.

– Vai-te embora, lobão! – Respondeu-lhe o porquinho.

Desta vez, o lobo soprou e soprou muitas vezes, mas a casinha, construída com cimento e tijolos era demasiado sólida até para ele.

Por fim o lobo mau ficou sem forças. Aborrecido, levantou o punho, ameaçando: – Por agora, deixo-te… mas depressa voltarei!

E vou-te comer de uma só vez.

Quando se fez noite o lobo voltou. Prático ouvi-o a trepar pelo algeroz para subir até ao telhado da casa.

Enquanto se metia pela chaminé, o lobo lambia-se já pensando no jantar à base de porquinho assado. Mas Prático, que tinha uma panela de sopa ao lume, atiçou a chama com toda a lenha que tinha.

O lobo já estava a meio caminho quando começou a cheirar a queimado: era a sua cauda que começa a chamuscar! Saiu pela chaminé e desapareceu uivando.

No dia seguinte, enquanto o pobre lobo, com a cauda entre as patas, continuava a fugir para o mais longe possível, a povoação celebrava a valentia do porquinho sábio e o retorno à tranquilidade.

Os três porquinhos

Adira à nossa lista especial para receber conteúdos didáticos