Lápis Mágico

Provérbios de fevereiro

Conheça alguns provérbios tradicionais portugueses sobre o mês de fevereiro

Provérbios de fevereiro

– Fevereiro quente, traz o diabo no ventre.

– Fevereiro chuvoso faz o ano formoso.

– Fevereiro enxuto rói mais que todos os ratos do mundo.

– Fevereiro coxo, em seus dias vinte e oito.

– Fevereiro é dia, e logo é Santa Maria (2/2).

– Fevereiro é o mais curto mês e o menos cortês.

– Fevereiro enxuto, rói mais pão do que quantos ratos há no mundo.

– Fevereiro recoveiro faz a perdiz ao poleiro; Março três ou quatro.

– Fevereiro faz dia, e logo Santa Maria (2/2).

– Fevereiro matou a mãe no soalheiro.

– Fevereiro trocou dois dias por uma tijela de papas.

– Fevereiro, o mais curto mês e o menos cortês.

– Fevereiro: rego cheio.

– Fevereiro, chover.

– Fevereiro, enganou a mãe ao soalheiro.

– Fevereiro, fêveras de frio, e não de linho.

– Fevereiro, matou a mãe ao soalheiro.

– A castanha e o besugo, em Fevereiro não têm sumo.

– A doçura de Fevereiro, faz o dono cavalheiro.

– A dois dias de Fevereiro, sobe ao outeiro: se a candelária chorar, está o Inverno a chegar; se a candelária sorrir, está o Inverno para vir.

– A Fevereiro e ao rapaz perdoa tudo quanto faz, se Fevereiro não for secalhão e o rapaz não for ladrão.

– A neve que em Fevereiro cai das serras, poupa um carro de estrume às vossas terras.

– Água de Fevereiro enche o celeiro.

– Água de Fevereiro mata o onzeneiro.

– Aí vem o meu irmão Março que, de oito só deixa quatro.

– Bons dias em Janeiro enganam o homem em Fevereiro.

– Bons dias em Janeiro, pagam-se em Fevereiro.

– Candelária (2/2) chovida, à candeia dá vida. Este termo, ” candeia”, refere-se à Senhora das Candeias que, em algumas localidades do país se festeja no dia 2 de fevereiro.

– Chuva de Fevereiro mata o onzeneiro.

– Chuva de Fevereiro vale por estrume.

– Ao fevereiro e ao rapaz, perdoa tudo quanto faz.

– Aproveite em fevereiro quem folgou em janeiro

– Aproveite fevereiro quem folgou em janeiro.

– Aveia de Fevereiro enche o celeiro.

– Chuva em Dia das Candeias(2/2), ano de ribeiras cheias.

– Dia de S. Brás (3), a cegonha verás, e se não a vires o Inverno vem atrás.

– Dia de S. Matias (24), começam as enxertias.

– Em dia de S. Matias (24) começam as enxertias.

– Em fevereiro mete obreiro.

– Em fevereiro, cada sulco um regueiro.

– Em fevereiro enche a velha o fumeiro.

– Em fevereiro chega-te ao lameiro.

– Em fevereiro chuva, em agosto uva.

– Em fevereiro põe a mãe ao soalheiro e manda-lhe um saraivem.

– Em fevereiro põe o teu fumeiro.

– Em fevereiro entra o sol em qualquer rigueiro.

– Em fevereiro mata o teu carneiro.

– Em fevereiro, mete obreiro; pão te comerá, mas obra te fará.

– Em fevereiro, no primeiro jejuarás, no segundo guardarás, no terceiro dia de S. Brás.

– Em fevereiro, vai acima ao outeiro: se vires verdejar, põe-te a chorar; se vires terrear, põe-te a cantar.

– Em fevereiro neve e frio, é de esperar calor no estio.

– Em fevereiro põe o teu porquinho ao sol.

– Em fevereiro, chega-te ao lameiro.

– Em fevereiro, ergue-se o centeio, a aveia enche o celeiro e a perdiz faz-se ao poleiro.

– Em fevereiro, frio ou quente, chova sempre.

– Janeiro geoso e Fevereiro chuvoso fazem o ano formoso.

– Lá vem fevereiro, que leva a ovelha e o carneiro.

– Janeiro gioso, Fevereiro nevoso, Março molinhoso, Abril chuvoso, Maio ventoso faz o ano formoso.

– Luar de Janeiro faz sair a galinha do poleiro, lá vem fevereiro que leva a galinha e o carneiro.

– Neve de Fevereiro, presságio de mau celeiro.

– Neve que em fevereiro cai das serras, poupa um carro de estrume às vossas terras.

– O primeiro de fevereiro jejuarás, o segundo guardarás e o terceiro é dia de S. Brás; semeia o cebolinho e tê-lo-ás.

– O sol de fevereiro matou a mãe ao soalheiro.

– O tempo de fevereiro enganou a mãe ao soalheiro.

– Neve em fevereiro, é mau para o celeiro.

– Para parte de fevereiro, guarda lenha.

– Para parte de fevereiro, guarda a lenha no quinteiro.

– Neve em fevereiro não faz bom celeiro.

– Neve em fevereiro, é como a água carregada num cesteiro.

– Pelo S. Matias (24/2), noites iguais aos dias.

– Quando não chove em fevereiro, nem bom prado, nem bom centeio

– Quando não chove em fevereiro, nem bom prado, nem bom lameiro, nem bom corno no carneiro.

– Por S. Brás (3) atirarás.

– Quando não chove em fevereiro, nem bom prado nem bom celeiro.

– Quando não chove em fevereiro, nem bom prado, nem bom palheiro.

– Quando não chove em fevereiro; nem bom centeio nem bom lameiro.

– Por S. Matias (24/2) começam as enxertias.

– Por S. Matias (24/2), antes de março cinco dias salta da boga na cascalheira.

– Quando não chove em fevereiro, não há bom prado, nem bom palheiro.

– Quem quiser o alho cabeçudo, planta-o no mês do Entrudo.

– Quando a candeia (2/2) chora, já o Inverno vai fora, quando a candeia ri, ainda o Inverno está para vir.

– Quando a Candelária (2/2) chora, o inverno já está fora; quando a Candelária ri, o inverno está para vir.

– Quem andar a gosto, não sai de casa em fevereiro.

– Quando fevereiro não tem grande frio, o vento dominará até ao Estio.

– Quando não chove em fevereiro, não há bom prado, nem bom centeio.

– Quem quiser o alho cabeçudo, sache-o pelo Entrudo.

– Quer no começo quer no fundo, em fevereiro vem o Entrudo.

– Rindo se vai fevereiro, porque lhe jejuam no seu dia primeiro.

– S. Brás (3) te afogue que Deus não pode.

– Se a Senhora das Candeias (2/2) chora, está o inverno fora.

– Se a Candelária (2/2) chora, está o Inverno fora, se a Candelária rir está o Inverno para vir.

– Se a Senhora das Candeias (2/2) ri e chora, está o inverno meio dentro e meio fora.

– Se a Senhora das Candeias (2/2) rir, está o inverno para vir.

– Tanta chuva pelas candeias (2/2), tantas abelhas pelas colmeias.

– Vai-te embora irmão Fevereiro que cá fica a minha ovelha com o meu cordeiro; mas lá vem o irmão Março que não deixará ovelha nem farrapo, nem o pastor se for fraco.

– Vale mais no rebanho ter um lobo, que mês de fevereiro formoso.

– Se o Inverno não faz o seu dever em janeiro, faz em fevereiro.

– Se queres ser bom “grãoseiro”, semeia-o em fevereiro.

– Se seco e quente é o mês de Fevereiro, guarda para os cavalos o feno no celeiro.

– Vai-te embora Fevereirinho de vinte e oito, que deixaste os meus bezerrinhos todos oito; deixo estes, que aí vem Março que de oito deixa quatro.

– Vai-te embora fevereiro com os teus vinte e oito; se durasses mais quatro, não durava cão nem gato.

– Vale mais uma raposa no galinheiro, que um homem em camisa em fevereiro.

– Vai-te embora fevereiro que levaste o meu cordeiro! Aí vem meu irmão Março que de oito te deixa quatro.


Adira à nossa lista especial para receber conteúdos didáticos