Lápis Mágico

Provérbios de setembro

Conheça alguns provérbios tradicionais portugueses sobre o mês de setembro

Provérbios de setembro

– Em setembro ardem os montes e secam as fontes.

– Em setembro cuida da vindima que olhar para a uva não mata a sede.

– Em setembro lavra, semeia e colhe que é mês para tudo.

– Em setembro palha no palheiro e meninas ao candeeiro.

– Em setembro planta, colhe e cava, que é mês para tudo.

– Águas verdadeiras, por S. Mateus ( 21/9)as primeiras.

– Aí pela Senhora da Ajuda, às sete, é sol-posto.

– Arranja bom setembro, com a burra fico eu.

– Arranja bom setembro, com a burra te fico eu.

– Chovendo no S. Miguel (29/9), faz conta das ovelhas que os borregos são teus.

– Chovendo no São Miguel, faz conta das ovelhas que os borregos não são teus.

– Chuvas verdadeiras, em setembro as primeiras.

– Corra o ano como for, haja em agosto e setembro calor.

– Dia de São Mateus, vindimam os sisudos e semeiam os sandeus.

– Em 29, São Miguel fecha as asas.

– Em agosto secam os montes e em setembro as fontes.

– Em Dia de São Mateus(21/9), começam as enxertias.

– Em Dia de São Mateus(21/9), vindimam os sisudos e semeiam os sandeus.

– Em dia de São Matias, começam as enxertias.

– Em não chovendo por São Mateus (21/9),, faz conta com as ovelhas, que os borregos não são teus.

– Em setembro ramo curto, vindima longa.

– Em setembro S. Mateus, não peças chuva a Deus.

– Em setembro secam as fontes e a chuva leva as pontes.

– Em setembro secam as fontes e as chuvas lavam as pontes.

– Em setembro semeia o teu pão mas escuta o que o teu vizinho diz, porque no dia oito o centeio deve estar da altura da pena da perdiz.

– Em setembro semeia o teu pão.

– Em setembro tem Deus a mesa posta.

– Em setembro, andando e comendo.

– Em setembro, ardem os montes e secam as fontes.

– Em setembro, ardem os montes e secam as fontes.

– Em setembro, ardem os montes, secam-se as fontes.

– Em setembro, cara de poucos amigos e manhã de figos.

– Em setembro, colhendo e comendo.

– Em setembro, palha no palheiro e meninas ao candeeiro.

– Em setembro, palhas ao palheiro, meninos ao candeeiro.

– Em setembro, perdizes pequenas só das agostinhas me lembra.

– Em setembro, planta, colhe e cava que é mês para tudo.

– Em setembro, S. Miguel soalheiro enche o celeiro.

– Em setembro, vai andando e correndo, mas às vezes também ardem as moitas e as fontes a secar vêm.

– Em Setembro, vai andando e vai comendo.

– Em tempo de figos não há amigos.

– Em vinte e nove, S. Miguel fecha as asas.

– Guarda prado, criarás gado.

– Lua Nova setembrina sete vezes domina.

– Não peças a morte a Deus, nem a chuva por São Mateus.

– Lua nova setembrina, sete luas domina.

– Lua nova trovejada, trinta dias é molhada e se for a de Setembro até Março irá chovendo.

– No dia oito de Setembro abalam as merendas, vêm os serões.

– No pó semeia que Setembro to pagará.

– No São Mateus vindimam os sisudos e semeiam os sandeus.

– Nunca se viu nem se há-de ver, Feira Franca sem chover.

– Nuvens em Setembro: chuva em Novembro e neve em Dezembro.

– O São Miguel ou seca as fontes ou leva açudes e pontes.

– Para boas colheitas, pede bom tempo a Deus nas têmporas de São Mateus.

– Para que o ano não vá mal, hão-de encher os rios três vezes entre S. Mateus e o Natal.

– Para vindimar deixa Setembro acabar.

– Para vindimar deixa o Setembro acabar.

– Pela senhora da Ajuda, às sete o sol é posto.

– Pelo S. Mateus não peças chuva a Deus.

– Pelo S. Mateus, pega nos bois e lavra com Deus.

– Pelo São Bernardo seca-se a palha pelo pé.

– Pelo São Gil adoba o teu candil.

– Pelo São Mateus deixa os taralhões.

– Pelo São Mateus faz contas das ovelhas, que os borregos são teus.

– Pelo São Mateus munge as vacas e lavra com Deus.

– Pelo São Mateus não peças água nem morte a Deus.

– Pelo São Mateus não peças chuva a Deus.

– Pelo São Mateus vindimam os sisudos, semeiam os sandeus.

– Pelo São Mateus, conta as ovelhas que os cordeiros são teus.

– Pelo São Mateus, pega nos bois e lavra com Deus.

– Pelo São Mateus, vindimam os sisudos e varejam os sandeus.

– Pelo São Miguel, estão as uvas como mel.

– Pelo São Miguel dá-se as figueiras ao rabisco.

– Pelo São Miguel os figos são mel.

– Pelo São Miguel, estão as uvas como mel.

– Por São Mateus, faz conta das ovelhas que os borregos são teus.

– Por São Mateus pega no arado e lavra com Deus.

– Por São Mateus, pega nos bois e lavra com Deus.

– Quando não chove depois do São Mateus, é por milagre de Deus.

– Quando não chove por São Mateus, é por milagre de Deus.

– Quem planta no S. Miguel, vai à horta quando quer.

– Quem planta no São Miguel, vai à horta quando quer.

– Quem se aluga no S. Miguel, não se senta quando quer.

– São João e São Miguel passados, tanto manda o amo como o criado.

– São Miguel das uvas, tanto tardas e tão pouco duras!

– São Miguel passado, tanto manda o amo como o criado.

– São Miguel passado, todo o amo é mandado.

– São Miguel soalheiro, enche o celeiro.

– Se acaso em Setembro a cigarra cantar, não compres trigo para o vir a guardar.

– Se chover pelo São Mateus, cuida das ovelhas que os borregos são teus.

– Se em Setembro a cigarra cantar, não compres trigo para guardar.

– Se houvesse dois S. Miguéis no ano, não havia moço que parasse no amo.

– Se por acaso em Setembro a cigarra cantar, não compres trigo para o vires a guardar.

– Setembro a comer e a colher.

– Setembro cara de poucos amigos e manhã de figos.

– Setembro cara de poucos amigos, cara de figos.

– Setembro é o Maio do Outono.

– Setembro molhado, figo estragado.

– Setembro ou seca as fontes ou leva as pontes.

– Setembro ou seca as fontes, ou leva açudes e pontes.

– Setembro que enche o celeiro dá triunfo ao rendeiro.

– Setembro que enche o celeiro, salva o rendeiro.

– Setembro seca os montes, rios e fontes.

– Setembro, andando e comendo.

– Setembro, cara de poucos amigos e manhã de figos.

– Setembro, comendo e colhendo.

– Setembro, molhado, figo estragado.

– Setembro, ou seca as fontes ou leva açudes e pontes.

– Setembro, ou seca as fontes ou leva as pontes.

– Setembro, ou seca os montes ou lava as fontes.

– Setembro, ou seca os montes ou leva as fontes.

– Setembro, que enche o celeiro, dá triunfo ao rendeiro.

– Sol pelo São Mateus, chuva até ao Menino Deus.

– Terra de gramão, terra de pão.

– Vai-te com Deus e S. Miguel com as almas.

– Vindima molhada, pipa depressa despejada.


Adira à nossa lista especial para receber conteúdos didáticos